Psycho-Pass

Psycho-Pass
R$26,00
3x de R$8,67 sem juros
Ver detalhes das parcelas
Digite aqui o seu CEP para calcular o frete:

  Psycho-Pass

Episódios:   22
Estilo:   Serie de TV
Gênero:   Ação/Psicologico/Ficção
Tema:   Cyberpunk/Policial
Qualidade:   Alta Definição
Resolução:  1280x720 HD
Áudio:   Japonês
Legendas:  Português
Quantidade:   2 Discos
Opcional:  (1 Box c/ encartes)


Especificação: Reproduz em Blu-ray players - BD-Rom - Playstation 3 e 4.
Opoção de Box com Encarte/Inside - papel fotográfico.
Menu Interativo, com seleção de episodios e menu de contexto.

 

Cuidado! O site AnimesDVD cria e autora os Blu rays, somos pioneiros, outros sites compram nossos BDs e revendem como se fosse criação deles. NÃO CAIA NA PILANTRAGEM, aqui  você leva a qualidade original pelo preço justo.

Psycho Pass começa nos apresentando à sua sociedade futurista e, numa primeira visão, utópica: por meio do sistema Sybil, a mente de cada cidadão é analisada e lida em um “coeficiente criminal”, um resultado em números que define a probabilidade de que a pessoa em questão cometa um crime, baseado principalmente no estresse e estado mental. A polícia e segurança nas ruas é completamente automatizada por esse motivo, exceto pelo grupo de investigações (chamado de SIC), a organização onde atuam os personagens principais da trama. Na SIC, os Inspetores supervisionam e ordenam os trabalhos dos Criminosos Latentes (pessoas com alto e irreversível coeficiente criminal, que passam por treinamento para auxiliar nas investigações). Tanto os Inspetores como os “criminosos” recebem uma arma chamada Dominator, que analisa rapidamente o Coeficiente Criminal do alvo, e avalia por si só o quão poderoso será e se deve ser feito ou não o disparo.

O espectador acompanha a trama pelos olhos (e ações) de Akane Tsunemori, recém recrutada pela polícia para o trabalho de Inspetora. Enquanto Akane se habitua ao sistema da SIC, uma sequência de crimes de características similares começa a acontecer – e os novos casos se relacionam com a vida pessoal de Shinya Kogami, o “criminoso” sob sua supervisão. O decorrer da história traz de uma maneira ora implícita, ora explícita, em diálogos bem arquitetados, questionamentos sobre a mente humana e sua relação com os avanços tecnológicos que aquela sociedade alcançou até então – e possibilitando pequenas comparações com nossa sociedade atual.